Cadastro Unificado

Agora o cadastro de usuarios do site está unificado, isso significa que você não precisará mais fazer um novo cadastro a cada ano, ou ter um cadastro para o Congresso e outro para os Workshops.

Somente com o seu e-mail e senha, você terá acesso a todos os recursos restritos do site.



Login do Usuário

Não é cadastrado ainda?
Cadastre-se agora!

 
 


 




II CONGRESSO INTERNACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES

 

 

XXIV CONGRESSO NACIONAL DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL

 

                                     

 

 

 

TEMA: ARTE/EDUCAÇÃO CONTEMPORÂNEA: METAMORFOSES E NARRATIVAS DO ENSINAR/APRENDER.

 

 

 


 

De 14 a 18 de Novembro de 2014.



 

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA/PR
 
Campus Central - Praça Santos Andrade, nº01, 
Ponta Grossa - Paraná
 CEP:84010-790
 www.uepg.br 

 

 

Ponta Grossa - Paraná - Brasil



EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS


A Comissão de Organização do II Congresso Internacional da Federação dos Arte/Educadores e XXIV Congresso Nacional da Federação dos Arte/Educadores do Brasil, com o Tema – “Arte/Educação Contemporânea: Metamorfoses e narrativas do ensinar e aprender” vem a público divulgar as diretrizes de seu II ConFAEB Congresso Internacional e XXIV ConFAEB Congresso Nacional que se realizará na Universidade Estadual de Ponta Grossa, na cidade de Ponta Grossa - PR, de 14 a 18 de novembro de 2014.

 

1.     Sobre a FAEB e sobre os CONFAEBS e II ConFAEB Internacional e XXIV CONFAEB Nacional/2014

 

A Federação de Arte/Educadores do Brasil – FAEB - foi criada em 1987 e se constitui na primeira entidade civil para-acadêmica sem fins lucrativos, voltada para a pesquisa e o ensino das áreas de Artes – ARTES VISUAIS, DANÇA, MÚSICA e TEATRO – em âmbito nacional.

Na atualidade, os(as) arte/educadores(as) têm se aproximado da FAEB como associados, fortalecendo assim a Federação e ao mesmo tempo propondo maiores responsabilidades quanto ao debate sobre as demandas do campo da arte e do ensino, neste momento. Ao assumir características mais contemporâneas de comunicação, diálogo e escuta das narrativas dos professores compromete-se, de forma mais sistemática, na defesa dos interesses dos profissionais e da área junto às autoridades, na resolução de problemas legais ou pedagógicos, além da luta pelo  estabelecimento de diálogo  diante das gestões e construtores de políticas públicas.

Além disso, reivindica ações e cumprimento de metas na prática, diante dos princípios constitucionais e da legislação educacional, das leis, que regulam o ensino das Artes Visuais, da Dança, da Música e do Teatro.

A FAEB lidera, desde a sua criação, um vigoroso movimento em favor da presença das Artes Visuais, Dança, Música e Teatro na educação brasileira, desde reuniões e encaminhamentos com parlamentares da constituinte de 1988 e com o Conselho Federal de Educação quando da elaboração das diretrizes para Educação Básica e Superior,  quanto na luta frente  ao poder público por conquistas que assegurem a qualidade do trabalho e do ensino de  arte  na escola e na sociedade. A FAEB se expandiu e representa o Brasil junto ao CLEA (Conselho Latino Americano de Educação pela Arte), à InSEA ( International Society of Education Through Art), e à OIE (Organização Ibero-Americana de Educação pela Arte), integrando e se articulando a uma rede de entidades internacionais  que almejam o fortalecimento do ensino das linguagens e expressões artísticas no âmbito latino-americano e mundial.

A parceria interinstitucional e internacional que é uma das atividades que mais fortalece seus associados é o Congresso da Federação de Arte/Educadores do Brasil – ConFAEB, o qual apresenta um encontro sistemático anual,  nacional, latino-americano e mundial, reunindo estudantes, professores, bacharéis, pesquisadores e interessados em ensino e pesquisa em  Artes Visuais,  Dança,  Música e  Teatro. O ConFAEB vem se configurando ao longo da história do ensino das artes no Brasil, como espaço de difusão e fomento de pesquisas que fundamentam e fortalecem as ações político-conceituais nas quatro áreas  que compõem esse campo de conhecimento. Congrega pesquisadores, professores e estudantes que respondem pela docência, pesquisa e extensão nos cursos de graduação e nos programas, linhas e grupos de pesquisa na pós-graduação. A partir disso constitui-se no espaço de partilhas de projetos, estudos, pesquisas e extensão desenvolvidos na Educação Básica e na educação não formal, expandindo o ensino das linguagens e expressões artísticas em sua complexidade em todos os âmbitos da cultura popular, erudita, midiática ou de massa da sociedade contemporânea.

A atual diretoria da FAEB empenha-se em aperfeiçoar os critérios de qualidade das ações que desenvolve junto a seus associados, em especial no que tange aos congressos anuais, publicações científicas e proposições de redirecionamentos de políticas públicas educacionais, culturais de inclusão social, considerando os padrões adotados na atualidade pelos órgãos reguladores. Com caráter inclusivo e democrático, o CONFAEB constitui-se também como fórum de formação, quando congrega e agrega professores de Artes Visuais, Dança, Música e Teatro da Educação Básica,  pedagogos da Educação Infantil e Anos Iniciais, estudantes, professores e  pesquisadores  das licenciaturas e dos Bacharelados,  artistas e  gestores culturais que atuam nos  diferentes espaços sociais com as diversas linguagens artísticas. Sabe-se que esta articulação em forma espiralada e não hierárquica é poucas vezes exercida em nossos sistemas de formação, o que nos leva a reafirmar o papel que o CONFAEB desempenha neste processo compartilhado entre as Universidades, Educação Básica, Comunidades Sociais e a sociedade em suas múltiplas dimensões.

Com caráter itinerante, os Congressos da FAEB vêm ocorrendo desde 1988 e desde essa data percorrem as principais cidades e capitais do território nacional, sendo acolhidos  neste percurso por diversas instituições de Educação Superior. Já foram realizados pela UNB/Brasília, PUCAMP/Campinas/SP, UNICAMP/Campinas/SP, UFRGS/POA/RS, UFPA/PARAÍBA, UFMS/Campo Grande/MS, UFPE/Recife/PE, URCA/Cariri/CE, UDESC/Florianópolis/SC, UFMG/Belo Horizonte/Minas Gerais, UFG/Goiânia/GOIÁS, UFMA/São Luís do Maranhão/MA, IFMA/MA, UNESP/São Paulo/SP, UFPE/Porto de Galinhas/Pernambuco, entre outras.

Em 2014 pela primeira vez o Estado do Paraná, em especial a Universidade Estadual de Ponta Grossa através do Departamento de Artes, e do Programa de Pós Graduação em Educação(M/D), sediará o II CONGRESSO INTERNACIONAL DE ARTE/EDUCADORES e XXIV CONGRESSO DA FEDERAÇÃO DOS ARTE/EDUCADORES DO BRASIL com expectativa de recepcionar 700  participantes. Ressalte-se que a universidade conta com a parceria da Fundação de Cultura de Ponta Grossa e com o apoio dos órgãos públicos federais, estaduais, municipais no âmbito da Educação Básica, da Cultura e das Multiculturas.

A UEPG - Universidade Estadual de Ponta Grossa, através do Departamento de Artes, do Programa de Pós-Graduação em Educação da UEPG (PPGE) e a FAEB - Federação dos Arte/Educadores do Brasil convidam todos os Cursos de Licenciatura e Bacharelado de Artes Visuais, Música, Dança, e Teatro e demais instituições educacionais, artísticas e culturais do Brasil, da América Latina e demais Países a participarem do ConFAEB II Congresso Internacional da Federação dos Arte/Educadores e XXIV Congresso Nacional da Federação dos Arte/Educadores do Brasil. Na certeza de que o Congresso será participativo  e solidário criando impactos da pesquisa, sobre a formação e a ação de professores e pesquisadores da Educação Básica à Universidade, Pesquisadores da Pós-Graduação, dos bolsistas de Iniciação Científica e Iniciação à Docência e de gestores públicos e mediadores artísticos, culturais e educacionais, almejando o sucesso e impacto pretendidos.


2. Sobre o Tema

Com o tema: “Arte/Educação Contemporânea: Metamorfoses e narrativas do ensinar e aprender” pretende-se evidenciar as narrativas e metamorfoses para uma melhor compreensão crítica do ensinar/aprender, saberes e fazeres artísticos numa sociedade que tem na arte sua vida, em vida vivida com arte. Além de discutir uma arte/educação contemporânea e tentar superar e/ou dialogar com as diferentes possibilidades de pensar a humanidade do mundo e da Arte da modernidade e pós-modernidade.

Para Chevalier e Gheerbrant (1993, p. 608) as metamorfoses “revelam certa crença na unidade fundamental do ser”. Assim se faz necessário desvelar as narrativas de professor e pesquisador, da docência e da pesquisa, da construção de identidades profissionais e de perfis dos profissionais da Educação em Artes Visuais, Dança, Música, Teatro e da Arte na Pedagogia, bem como das narrativas pedagógicas, da Política Educacional, e das metamorfoses nas poéticas artísticas e práticas de ensinar e aprender a pesquisar. Destacar as metamorfoses e as articulações entre diversos âmbitos de saberes, reflexões e práticas que se constituem sob a perspectiva ética, estética, artística, educativa, opção que agrega potencialidades de interação referidas ao Cuidado, à Criação Coletivae ao “Estar- juntos”.

Outros tempos, outra era? Quais metamorfoses e narrativas permeiam a cultura da arte/educação contemporânea? Conceituais, artísticas e educacionais nos lugares de produção, difusão e acesso a cultura. Com as tensões econômicas, políticas e do pensamento mundial, é emergente pensar em alternativas possíveis de uma arte/educação contemporânea de seu tempo. Metamorfoses e narrativas do ensino e aprendizagem da Arte. Metamorfose gerada pela identificação estética traz na socialidade a transubstanciação capaz de conscientizar com a saturação do político. Decreta outra ética pública para “explodi-lo”, lógica esta “societal”. Ou seja, o ato de um “estar- junto” que, ao lado dos elementos mecânicistas e racionais que estão na base do contrato social, integra todos os aspectos passionais, francamente ilógicos em ação na natureza humana (MAFFESOLI, 2013).

Uma vez que, narrativa pode ser entendida como: conhecer, narrar, informar e contá-la cerca as pessoas desde o momento que se consegue compreender a fala, fornece-se às pessoas uma ferramenta, para aprender e ensinar uns aos outros. Estamos constantemente narrando processos formativos, forma e conteúdo no ensinar e aprender, narrativas avaliativas, narrativas de vivências de ensino e aprendizagem em Arte, contando sobre eventos que assistimos ou participamos ou sobre os quais pesquisamos, ouvimos falar, sobre práticas de ensinar e aprender na escola, narramos histórias de vida pessoal e profissional de professor e histórias de pedagogias da arte. Roland Barthes, afirmou que "a narrativa está presente em todos os tempos, em todos os lugares, em todas as sociedades, começa com a própria história da humanidade [...] é fruto do narrador ou possui em comum com outras narrativas uma estrutura acessível à análise" (1966, p.1).

Como pesquisadores e professores/artistas/pesquisadores, estamos em constantes metamorfoses e estamos expressando e manifestando narrativas visuais, narrativas em dança, narrativas musicais, e narrativas de expressão teatral e cênica. Quais narrativas são contemporâneas? Quais as transformações conceituais que estão ocorrendo como possibilidades da Arte/Educação contemporânea, das questões artísticas e educacionais nos lugares de produção, difusão e acesso às culturas? Com as tensões econômicas, políticas e dos pensamentos mundiais, que arte/educação contemporânea queremos na chamada modernidade, mediante a pós- modernidade que estamos vivendo?

“Há momentos em que a vida não possui mais a regularidade e a racionalidade de um programa político, e, nesses momentos, o sonho e a realidade fazem parte de uma coisa só, o fantasma torna-se uma criação do espírito coletivo e cria, por sua vez, esse espírito materializado que constitui qualquer ato criativo. Essa criação não possui a solidez nem a consistência que lhe queria dar o homo faber da modernidade, porém ela lembra que, sempre e novamente, é do caos ilimitado que surgem as novas formas” (MAFFESOLI, 2003:181). 

Considerando uma Arte/Educação contemporânea, qual identidade e perfis dos(as) pesquisadores(as) e arte/educadores(as)? A arte não tem limites e nem barreiras, então como pensar e criar os limites teóricos e didáticos para uma arte/educação para a complexidade? Que metamorfoses e narrativas de pesquisa e narrativas do ensinar/aprender orientam as práticas educativas da Educação Básica à Universidade e vice-versa e para além delas nos espaços não-formais de ensinar/aprender? Que metamorfoses e narrativas de pesquisas na formação inicial e continuada do professor de Arte tencionam na contemporaneidade? Que narrativas e metamorfoses as Tecnologias e Artes Visuais, Dança, Música e Teatro poetizam o fazer e pensar as práticas artísticas? E as tecnologias da Informação e comunicação no ensinar/aprenderem nas áreas de Arte na contemporaneidade? Que metamorfoses e narrativas revelam  os Arte/Educadores e alteridade? E o que a contemporaneidade diz das Múltiplas Culturas, interculturalidade e inclusão nas metamorfoses através do tempo? Que metamorfoses e narrativas estão presentes na História das Políticas Públicas em Arte/educação e suas áreas de ensino e quais seus impactos e repercussões na escola e na formação de profissionais do ensino de Artes Visuais, Música, Teatro e Dança?

As narrativas e metamorfoses de ser pesquisador ao longo do tempo e o conceito de narrativa, que permite reconhecer as contrariedades, são estudadas, como um método de ensinar e um método para produzir, como uma teoria para investigar, como uma prática social estratégica ou política.  A narrativa é usada por pesquisadores, para descrever, narrar e contar seus estudos e desvelar o resultado de seu conhecimento, construindo e produzindo conhecimento. Quais pesquisas revelam? São analisadas focando na função da narrativa ou focando na forma como é produzida. A base da transferência de conhecimentos é a tradição oral de contar histórias, sendo um fenômeno que dá significado a vida das pessoas. A narrativa carrega desde seu início características multidisciplinares, e é aberta a diversas metodologias de diversas áreas, da História da arte, das Artes Visuais, da Dança, da Música e do Teatro, do Cinema e das Histórias em quadrinhos para citar algumas. Sodré (1988, p.75) citado por Klimick (s/d) diz que a narrativa é o discurso capaz de evocar, através da sucessão temporal e encadeada de fatos, um mundo dado como real ou imaginário situado num tempo e num espaço determinados. Na narrativa, distingue-se a narração verbal e visual, musical e teatral cênica, que falam e narram do mundo, e da diegese - mundo narrado, ou seja, ações, personagens, tempos. Como uma imagem, a narrativa põe diante de nossos olhos, nos apresenta um mundo. Como nos aborda Saraiva (2003, p.9) “o ato de narrar configura-se na pintura, escultura, na tapeçaria, na mímica, na dança, na representação cênica [...] nos signos auditivos na música [...] na arte digital e na representação artística das ações humanas”. Assim a arte visual, a dança e a performance, a música, o teatro, símbolos e signos e texto são narrativas que foram se constituindo ao longo do tempo. Que narrativas poéticas, que narrativas contadas de saberes e fazeres, forma e conteúdo nas linguagens artísticas? Que narrativas na contemporaneidade? E que metamorfoses são desconstruídas e reconstruídas, construídas em outras nas pesquisas e na ação docente em Arte?

O poeta, o artista, o artista /professor, a pessoa humana  reescrevem  narrativas? Quais e o que vem mudando, se metamorfoseando? O contemporâneo é olhar o escuro de hoje e de como está velado. Pessoas e profissionais encontram caminhos, e que caminhos, quais percursos metamorfoseiam outras narrativas? Criar outros vieses para a poética humana. Narrativas pessoais e as narrativas profissionais, narrativa do outro, com os outros, das pessoas. Dos profissionais da Arte/Educação e pesquisas que narram e contam suas vivências e seus andarilhares de ser professor, artista/professor/pesquisador que transmuta, muda, transfigura, transmigra, metamórfico, transforma, e metamorfoseia.

Assim, a exposição traz o experimento em busca de um conceito em desenvolvimento e transformação, considerando-se que estamos vivendo em uma sociedade marcada pela(s) tecnologia(s) e por uma intensa multiplicidade de linguagens (verbo-visual predominantemente), pretendemos rastrear - nos subsidiando em Derrida (1972 [2001]) - alguns acontecimentos que permitiram o surgimento de diferentes objetos, linguagens e suportes midiáticos, que deram vazão a novos modos de significação e subjetividades alusivo das passagens do ser. Nós enquanto eu, tu e os outros em mutação. Isso implica mencionar, apoiados em Foucault (1998), que o poder está em todo lugar, disseminado nas diferentes instituições. Trata-se, pois, de sistemas de interdição do qual toda formação social dispõe, mais precisamente de procedimentos que criam um jogo de fronteiras, limites, supressões que tentam controlar a produção dos discursos na sociedade. Por meio de mecanismos coercitivos, as instituições conjuram o acaso do discurso, colocando regras de funcionamento para quem deseja entrar na sua ordem.

Estas, são metamorfoses que podemos desvelar e nos fazer transformar coletivamente do “estar juntos” durante, e após o II ConFAEB Internacional e XXIV ConFAEB Nacional, desvelando narrativas e acreditando que a Arte/Educação deve estar em todos os campos da sociedade transterritorializados,  em todos os níveis e modalidades da educação formal e não formal - escolas, organizações não governamentais(ONGs), espaços musicais, instituições que abrigam a infância e adolescência, jovens e adultos, idosos, doentes, homens, mulheres, pessoas com necessidades educativas especiais, bem como de inclusão social de homossexuais, transexuais, crossdressing, bissexuais, sem distinção de gênero, etnias, raças e culturas diversas, alteridade e inclusão - em todos os espaços, instigando uma política afirmativa para o arte/educar, tendo as narrativas da legislação regida pela LDB 9394/96 (Diretrizes e Bases da Educação Nacional) e para além dela, é uma forma de praticar a cultura não por uma política educacional decretada, mas por uma política educacional, cultural e artística construída e mediada por narrativas do saber, e querer, que o conhecimento tome conta das narrativas  intersubjetivas de nós profissionais das diferentes áreas de conhecimentos: das Artes Visuais, da Dança, da música e do Teatro o que significa ainda, rejeitar, segundo Foucault, 

[...] o continuísmo presente na história [arte] tradicional, problematiza qualquer tipo de continuísmo na história ao privilegiar as séries, os recortes, os limites, os desníveis, os deslocamentos. Seu objetivo é determinar que forma de relação pode ser legitimamente descrita entre essas diferentes séries, que sistema vertical elas são suscetíveis de formar; qual é, de umas para outras, o jogo das correlações e das dominâncias; de que efeito podem ser os deslocamentos, as temporalidades diferentes, as diversas permanências; em que conjuntos distintos certos elementos podem figurar simultaneamente (1972, p.18).(grifo nosso) 

Com o desejo de realizar um Congresso significativo, no qual as ideias e narrativas fluam com debates em uma maturidade dialógica entre as diversas áreas da Arte e onde todos estejam sempre numa ação comunicativa para a compreensão da Arte e para a construção cidadã de pessoas, no e do universo, dos organismos vivos (ecossistemas) e da poética humana no mundo contemporâneo, esperamos a contribuição das possíveis narrativas dos profissionais pesquisadores das diferentes expressões de conhecimento como os profissionais de Artes Visuais, Dança, Música, Teatro. Design, Cinema, Quadrinhos, e demais áreas que na interdisciplinaridade, transdisciplinaridade e multidisciplinaridade dialogam pelo campo epistemológico dos conhecimentos e que queiram associar-se à Federação, que podemos no diálogo colaborativo entre muitos profissionais pesquisadores e professores que sempre estiveram na história da Federação de Arte/Educadores do Brasil (FAEB) e dos CONFAEBs, e profissionais latino-americanos e dos novos associados que serão bem-vindos e que estão por vir e se articular transmutando-se a narrarem suas histórias de “ser”  e de “ser professor” e professor de ensino e aprendizagem das Artes Visuais, Dança, Música e Teatro em que metamorfoseiam saberes e fazeres com processos formativos de viver a humanidade humanizada, deserarquizada, livre da escuridão velada.

Toda essa narrativa aqui elencada indaga a todo instante e convida a desvelar o que está velado. O contemporâneo é fazer ver a escuridão. Que arte/educação instiga a humanidade sair da escuridão? Ou fazer ver a escuridão? O que a contemporaneidade diz ao arte/educador? O que o arte/educador compreende, narra e diz de si, do seu cotidiano vivido na cultura escolar, não escolar do mundo educacional contemporâneo da Arte? Quais fundamentos teóricos, epistemológicos e didáticos para a arte/educação contemporânea? Existem ou precisam existir? Que valores são (in) visíveis na Arte/Educação atualmente? Por que políticos e gestores de Políticas Públicas insistem em descumprir as leis que demarcam o ensino e os conteúdos/conhecimentos das Artes Visuais, da Dança, da Música e do Teatro em todo o território nacional, Latino-americano e Mundial? E que narrativas e realidade do ensino e aprendizagem e suas metamorfoses revelam através dos tempos na América Latina e no Mundo? Até quando essas sub-áreas áreas de conhecimento do campo da Arte serão ministradas por professores sem formação na área específica do conhecimento em que atuam?  Qual ética e estética? Provocam uma crise ética / estética? São narrativas que precisam vir ao debate  durante o II CONFAEB Internacional e o XXIV CONFAEB Nacional de 2014. Narrar a Arte/Educação latino-americana, e ter a escuta do Consejo Latinoamericano de Educación por El Arte (CLEA)  acreditando que as Artes Visuais, Dança, Música e Teatro devem estar com seus conhecimentos e práticas artísticas fazendo referência a Augè (1994) em“ lugares, não-lugares e lugares virtuais”, nos âmbitos da sociedade contemporânea complexa, numa hibridização em transterritórios,  cujas cartografias revelam complexidades e expansão do  campo de conhecimento da Arte/Educação.   

Uma necessidade estética e ética de pesquisa, e organização da prática educativa em todos os espaços e instituições educativas formal, não-formal e emergente em projetos sociais, da Universidade à Educação Básica escolar, da Pós-Graduação à Educação Infantil, e nos espaços não-formais e informais, como ONGs, e outras instituições e como nos sinaliza Canclini (1988) culturas hibridas como estratégia para entrar e sair da modernidade e interculturais híbridas em sua complexidade, ou seja, todos os espaços sem distinção, instigando uma política afirmativa,com narrativas e metamorfoses expressivas  da poética artística e da formação humana, poética da pessoa humana, para além das Artes a vida em ecossistema artístico (ANPAP, 2013) em metamorfoses, para uma compreensão e transformação de narrativas de si, do outro e com os outros, juntos os profissionais pesquisadores se agregam para apresentar pesquisas e experiências, trocar e refletir a Arte/Educação contemporânea em Artes Visuais, Dança, Música e do Teatro, desvelando-as  e transformando o cotidiano do ensinar e aprender na contemporaneidade em suas complexidades e metamorfoses.¹

Coordenação Geral  

 

 ¹AUGÉ,M.Não-lugares:introdução a uma antropologia da sper-modernidade.Campinas:Papirus,1994;BARTHES, R. (1966). Introduction à l’Analyse Structurale des Récits.Communications, Paris: Editions du Seuil (pp. 1-27); CHEVALIER, J.; GHEERBRANT, A. Dicionário de símbolos. Rio de Janeiro: José Olympio, 1993. ; DERRIDA, J. Posições. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva. Belo Horizonte: Autêntica, [2001], 1972; FOUCAULT, M. Microfísica do poder (org. e trad. de Roberto Machado). 16ª. Ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal, [2001], 1979. CANCLINI, N. G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. 2ª.ed.São Paulo, SP: Editora, USP/SP,1998; MAFESSOLI,M. Conferência Internacional:mudanças de valores na sociedade pós-moderna.Palas Athena.2012. SODRÉ, Muniz.,Best-Seller:a Literatura de Mercado. Série. Princípios. EdAtica.SP,1988.).SARAIVA,J. A. Narrativas Verbais e Visuais. Porto Alegre, EdUnisinos, 2003.


2.1.  Dos Eixos Temáticos  

De acordo com o Tema central do ConFAEB “Arte/Educação Contemporânea: Metamorfoses e narrativas do ensinar e aprender”, Os membros do Comitê Científico, da Comissão Organizadora e os Pesquisadores convidados, numa troca de temáticas, criaram quinze (15) Eixos Temáticos, mais a Iniciação Científica e a Iniciação à Docência dentro de cada GT - Grupos de Trabalho, por área de conhecimento específico, conforme a seguir: GT de Artes Visuais, GT de Dança, GT de Música e GT de Teatro.

 

Grupos de Trabalho - GT  em: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro 

   

GT- Artes Visuais 

1. Ensinar e aprender em Artes Visuais na Educação Básica.

2. Metamorfoses e narrativas na formação inicial e continuada do professor de Artes Visuais e de Pedagogia.

3. Mediações Culturais: fundamentos, práticas e políticas.

4. Tecnologias da Informação e Comunicação: metamorfoses no ensinar e aprender em Artes Visuais.

5. Histórias: documentações, acervos e narrativas.

6. Políticas Públicas nas Artes Visuais: repercussões na escola e metamorfoses.

7. Múltiplas culturas, interculturalidade e inclusão: metamorfoses contemporâneas. 

8. Ensino da História das Artes Visuais: narrativas e metamorfoses.

9. Epistemologia, Política Educacional, práticas educativas em Artes Visuais: realidade latino-americana e mundial.

10. Pesquisa na Educação em Artes Visuais: narrativas e metamorfoses contemporâneas.

11. Educação a Distância em Artes Visuais, na América Latina e no Mundo.

12. Práticas de Leitura em Artes Visuais na Escola.

13. Educação em Artes Visuais em Projetos Sociais.

14. Educação em Artes Visuais e interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade.

15. Poéticas e práticas artísticas na escola: hibridização, mestiçagem e pluralidade.

16. INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

17. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA.

   

GT- Dança

1. Ensinar e aprender em Dança na Educação Básica.

2. Metamorfoses e narrativas na formação inicial e continuada do Professor de Dança e de Pedagogia.

3. Mediações Culturais: fundamentos, práticas e políticas.

4. Tecnologias da Informação e Comunicação: metamorfoses no ensinar e aprender em Dança.

5. Histórias: documentações, acervos e narrativas. 

6. Políticas Públicas em Dança: repercussões na Escola e metamorfoses.

7. Múltiplas Culturas, interculturalidade e inclusão: metamorfoses contemporâneas. 

8. Ensino da História da Dança: narrativas e metamorfoses.

9. Epistemologia, Política Educacional, Práticas Educativas em Dança e realidade latino-americana e mundial.

10. Pesquisa na Educação em Dança: narrativas e metamorfoses contemporâneas.

11. Educação a Distância em Dança, na América Latina e no Mundo.

12. Práticas de Leitura em Dança na Escola. 

13. Educação em Dança e Projetos Sociais.

14. Educação em Dança e interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade.

15. Poéticas e práticas de Dança na escola: hibridização, mestiçagem e pluralidade.

16. INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

17. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA.



GT- Música

1. Ensinar e aprender em Música na Educação Básica.

2. Metamorfoses e narrativas na formação inicial e continuada do professor de Música e da Pedagogia.

3. Mediações Culturais: fundamentos, práticas e políticas.

4. Tecnologias da Informação e Comunicação: metamorfoses no ensinar e aprender em Música e da Pedagogia.

5. Histórias: documentações, acervos e narrativas.

6. Políticas Públicas em Música: repercussões na Escola e metamorfoses.

7. Múltiplas Culturas, interculturalidade e inclusão: narrativas e metamorfoses contemporâneas.

8. Ensino da História da Música: narrativas e metamorfoses.

9. Epistemologia, Política Educacional, Práticas Educativas em Música: realidade latino-americana e mundial.

10. Pesquisa na Educação Musical: narrativas e metamorfoses contemporâneas.

11. Educação a Distância em Música na América Latina e no Mundo.

12. Práticas de Leitura Musical na Escola.

13. Educação Musical em Projetos Sociais.

14. Educação Musical e interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade.

15. Poéticas e práticas musicais na escola: hibridização, mestiçagem e pluralidade.

16. INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

17. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA.

 

GT- Teatro

1. Ensinar e aprender em Teatro na Educação Básica.

2. Metamorfoses e narrativas na formação inicial e continuada do professor de Teatro e de Pedagogia.

3. Mediações culturais: fundamentos, práticas e políticas.

4. Tecnologias da Informação e Comunicação: metamorfoses no ensinar e aprender em Teatro.

5. Histórias: documentações, acervos e narrativas.

6. Políticas Públicas em Teatro: repercussões na escola e metamorfoses.

7. Múltiplas culturas, interculturalidade e inclusão: metamorfoses contemporâneas. 

8. Ensino da História do Teatro: narrativas e metamorfoses.

9. Epistemologia, Política Educacional, Práticas Educativas em Teatro: realidade latino-americana e mundial.

10. Pesquisa na Educação em Teatro: narrativas e metamorfoses contemporâneas.

11. Educação a Distância em Teatro na América Latina e no Mundo.

12. Práticas de Leitura em Teatro na Escola.

13. Educação e Teatro em Projetos Sociais.

14. Educação em Teatro e interdisciplinaridade, multidisciplinaridade e transdisciplinaridade.

15. Poéticas e práticas musicais na escola: hibridização, mestiçagem e pluralidade.

16. INICIAÇÃO CIENTÍFICA.

17. INICIAÇÃO À DOCÊNCIA.



3. Da Estrutura do Congresso

O II Congresso Internacional da Federação dos Arte/Educadores e o XXIV Congresso da Federação dos Arte/Educadores do Brasil terá uma organização diversa, compreendendo Conferências, Mesas Redonda (formadas por pesquisadores), Grupos de trabalho de Comunicação oral (apresentação no formato slides ou Pôster), Sessões de Iniciação Científica e Iniciação à Docência através de Comunicação  Oral (no formato slides ou Pôster) e Workshop’s.

 

3.1. Das Conferências

As conferências acontecerão de 14 a 18 de Novembro de 2014 no Cine Teatro Ópera em Ponta Grossa - Paraná - Brasil.

Para fazer a conferência de abertura, o evento contará com a presença de um(a) convidado(a) internacional, além de outros palestrantes convidados brasileiros e internacionais.

 

3.2. Das Mesas Redonda

  Serão disponibilizadas aos associados Mesas-Redonda, as quais serão propostas por pesquisadores e/ou professores pesquisadores com base nos Eixos Temáticos do ConFAEB, dentro dos quatro GT´s: Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro.

As mesas deverão ser compostas por pesquisadores e/ou professores pesquisadores da Educação Superior e/ou Básica de no mínimo duas instituições diferentes. Serão compostas por um(a) coordenador(a) e no máximo cinco (5) participantes, incluso o coordenador. O coordenador deverá enviar um resumo da proposição entre quinze a vinte linhas, em Word, fonte Arial, corpo 12, espaçamento simples para o e-mail isapgeventos@gmail.com.

O resumo deverá estabelecer a relação e articulação entre os diversos trabalhos levando em conta o eixo temático pretendido. As mesas poderão ser compostas de forma específica do GT pretendido e/ ou de forma interdisciplinar entre as áreas de conhecimento: Artes Visuais, Danças, Música e Teatro.

O resumo da proposta de Mesa encaminhada ao e-mail acima mencionado, será avaliada pelo Comitê Científico do ConFAEB.

As Mesas aprovadas serão comunicadas ao coordenador de Mesa e aos demais membros da mesma. Após aprovação da mesa, todos os pesquisadores (Coordenador e participantes da mesa) deverão submeter o seu artigo completo conforme normas de artigo (mesa) no presente Edital, e “modelo de artigo” para a publicação nos Anais do evento.

O pesquisador deverá baixar o modelo do Artigo especifico para Mesa redonda, disponível no sitewww.isapg.com.br/confaebr.  Deverá observar o preenchimento do cabeçalho no modelo do artigo (incluir o GT, o Eixo temático, o Titulo da Mesa redonda) e a seguir o Título do artigo individual de autor e palestrante da Mesa redonda.

As sessões das Mesas terão uma duração de até 1h30min, incluindo o debate. Cada comunicador disporá de até vinte(20) minutos para as exposições do tema de cada trabalho da mesa

Dos prazos para Proposta de Mesa:

1-  De 20 de maio a 20 de junho - encaminhamento de proposta de Mesa através do resumo.

2-  De 21 de junho a 30 de junho - Avaliação pelo Comitê Científico.

3-  De 01 de julho a 14 de julho - Divulgação das mesas aprovadas.

4- De 15 de julho a 15 de agosto - Submissão do artigo completo por cada participante da Mesa, no site ConFAEB: www.isapg.com.br/confaeb  conforme normas de envio de artigo completo do presente edital.

 

Obs: a data e o espaço da Apresentação da Mesa, será divulgada na Programação Final que será comunicada a cada coordenador de Mesa do ConFAEB/2014 e divulgada no site: www.isapg.com.br/confaeb.

 

 3.3.  Dos Grupos de Trabalho de Comunicação Oral (através de slides ou pôster):

A submissão do artigo completo para a comunicação oral, tanto para apresentação no formato slides ou pôster, deverá ser feita pelos associados e pelos participantes internacionais no site do ConFAEB.

A temática do artigo deverá ter relação com a área de formação e/ou área afim com os eixos dos GT´s de Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro, do qual pretendam submeter o trabalho sustentado por um ARTIGO COMPLETO.

 O artigo completo deverá ter de no mínimo doze (12) laudas e máximo quinze (15) laudas, contando-se com o titulo, resumo, sub-títulos, gráficos,imagens, referências e currículo do(os) autor(es).

Os trabalhos, artigos completos, deverão ser enviados pelo site www.isapg.com.br/confaeb até o dia 15 de Julho de 2014, conforme os Grupos de Trabalho (GT´s) apresentados acima.

Os artigos completos serão avaliados pela Comissão Científica (Pareceristas) e após a avaliação, serão divulgados no site do ConFAEB, a relação dos artigos selecionados, bem como, será enviado um e-mail aos autores com os artigos aprovados.

Os artigos aprovados terão duas modalidades de apresentação oral:

 1) Comunicação oral, a ser apresentada no formato slides;

 2) Comunicação oral, a ser apresentada no formato pôster.

 

1)      Para a Comunicação oral, a ser apresentada no formato slides:

Serão organizados grupos de trabalho por sessões dirigidas de até cinco (5) participantes, dependendo do horário disponível para a sessão e aprofundando os Eixos dos GTs do ConFAEB.

 

2)      Para Comunicação Oral, a ser apresentada no formato pôster:

Os pôsteres selecionados serão apresentados em local a ser definido pela organização do evento. O Pôster como forma de comunicação oral deverá ser apresentado aos participantes do evento que irão circular e podem dialogar com o(s) Autor(es ), conforme o seu interesse, durante um horário pré-fixado pelo Congresso.

ATENÇÃO: Para a submissão de trabalho para comunicação oral no formato slides ou pôster deverá ser submetido o ARTIGO COMPLETO, conforme normas de artigo completo deste edital. Os artigos completos para comunicação no formato slides ou pôster, passarão pelo mesmo processo de avaliação e serão avaliados pela Comissão Científica de Avaliação (Pareceristas), desta forma, as duas formas de apresentação oral (slides ou pôster), desde que devidamente apresentadas no evento, terão a mesma validade e serão certificadas como trabalho apresentado.

 

 3.4. Das Sessões de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência

As Sessões de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência são compostas de artigos completos, os quais devem ser enviado pelo site do ConFAEB   www.isapg.com.br/confaebOs alunos podem optar pelo aprofundamento do tema em um dos quatro GT´s:  Artes Visuais, Danças, Música e Teatro.

Será disponibilizado o “modelo de artigo completo” para a Iniciação Científica e Iniciação à docência e os alunos deverão fazer a opção em Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro.

Desta forma, para submeter os trabalhos de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência os alunos farão a opção INICIAÇÃO CIENTÍFICA ou INICIAÇÃO À DOCÊNCIA. Para os dois casos, foi criado um link especial para a submissão dos artigos dentro de cada um dos GT´s de Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro.      

Os artigos de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência serão avaliados pela Comissão Científica de Avaliação/Pareceristas e os artigos selecionados serão divulgados pelo site do ConFAEB e também será enviado e-mail aos autores com o artigo aprovado.

 

3.5. Workshop

Os Workshop´s poderão ser: teórico, teórico-prático ou prático e serão realizados de forma paralela à toda a programação do evento que estará propiciando a troca de conhecimentos de forma dinâmica e prática nos quatro GT´s de Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro.

Enviar proposta com um resumo entre quinze a vinte linhas, fonte Arial fonte 12, incluindo o plano para oWorkshop, contendo o roteiro a seguir: ministrante(s), título, objetivos, desenvolvimento, metodologia, número de participantes, materiais usados pelos participantes do Workshop, equipamentos e recursos que serão usados pelo ministrante(s), avaliação e referências. Envio da proposta pelo e-mail: confaeb@isapg.com.br.

OBSERVAÇÃO:

Todos os materiais e recursos utilizados pelo(s) ministrante(s) para a execução do Workshop (teórico, teórico-prático ou prático), serão de responsabilidade do(s) mesmo(s). A Comissão organizadora não se responsabilizará por quaisquer materiais, recursos e equipamentos a serem utilizados no Workshop.

 

3.6. Lançamento de Livros

Será realizado uma sessão de lançamento de livros de Grupos de Pesquisa, de Ensino e Extensão e de Autores das áreas afins, compreendido no período de 2012 a 2014. As inscrições para lançamento de livro deverão ser feitas até o dia 15 de agosto de 2014, pelo e-mail: isapgeventos@gmail.com. no qual deverá conter:  Título da obra, autor(s), editora e ano publicação. 

 

4. Das Normas de Redação dos Trabalhos - Formatação

As normas de redação dos trabalho / formação, constam “Modelo do Artigo completo” disponibilizado no site do ConFAEB, com a devida formatação para submissão dos Artigos para Comunicação Oral (apresentação através de slides ou pôster), para os Artigos das Mesas redonda, para o Artigo das sessões de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência (apresentação através de slides ou pôster). A formatação e demais normas constam também neste Edital do ConFAEB.

Artigo Científico completo para Grupos de Comunicação Oral, apresentação através de slides ou pôster, deverá ser enviado pelo site www.isapg.com.br/confaeb até o dia 15 de Julho de 2014.

A temática do artigo deverá ter relação com a área de formação e /ou área afim com os eixos dos GT´s de Artes Visuais, Dança, Música ou Teatro, do qual pretendam submeter o trabalho sustentado por um ARTIGO COMPLETO.

O primeiro autor é responsável por enviar ARTIGO COMPLETO e também de confirmar se os demais coautores do artigo estão devidamente inscritos no ConFAEB e se suas inscrições estão devidamente quitadas. Após ser atendido os requisitos inerentes as inscrições, o artigo poderá ser submetido.

Deverão ser enviados dois (2) arquivos sendo: um artigo COM nomes e o outro SEM nomes. No artigo SEM nomes não poderá ter qualquer tipo de identificação dos autores do artigo, desta forma, o currículo dos Autores só poderá ser inserido no artigo COM o nome dos Autores.

Seguir as Normas descritas neste Edital, que constam no Modelo de Formatação e servirão como apoio e está disponível no site do Congresso. Em relação às citações e referências deverão ser seguidas as Normas ABNT. Observar as questões éticas nas citações e referência e a originalidade do Artigo científico. A seguir as demais orientações.

a)   O artigo completo poderá ser feito no programa Word for Windows e a fonte a ser utilizada em todo o texto do artigo será a Arial (conforme, Edital do ConFAEB e modelo do artigo) e todos os Trabalhos submetidos ao ConFAEB, deverão estar no formato de arquivo.pdf.

b)   O artigo (texto) deverá ter de no mínimo doze (12) laudas e máximo quinze (15) laudas; não poderá ultrapassar o tamanho de 1Mb, contando-se a estrutura completa conforme a seguir: Titulo, autor(es), resumo e até quatro(4) palavras-chave. A seguir título traduzido, o Abstract, Resumen ou Sommaire e  Palabras clave,Key words, Palabras clave ou Mots-clés. Introdução, desenvolvimento (referencial teórico, metodologia, resultados e análise, considerações, referências).

c)   O formato do papel é A4 (21x29,7cm). Obs. a formatação deste “modelo” é a mesma que consta neste Edital por isso, sugere-se utilizar o modelo para a redação do artigo.

d)   As margens devem ser: (superior: 3 cm, inferior: 3 cm, lateral esquerda: 2 cm e lateral direita: 2 cm).

e)   CABEÇALHO (imagem  do ConFAEB que consta no modelo do artigo) deverá ser mantida na primeira página do artigo, pois, faz parte do cabeçalho do artigo a ser submetido e é parte integrante deste modelo. Após o cabeçalho sem espaçamento, inserir logo a seguir: Modalidade: (Comunicação Oral, ou Mesa redonda ou Iniciação Científica ou Iniciação à Docência); inserir o GT e o Eixo Temático conforme consta acima. Após o cabeçalho dar dois espaçamentos simples. 

f)    TÍTULO: no título do trabalho deverá ser usado a fonte arial, tamanho 12, em  caixa alta (maiúsculas), negrito, centralizado, entrelinhas simples. Entre o título e início da citação dos autores deverá ser inserido por duas linhas (dois espaçamentos). Obs.: não deverá constar a palavra título.

g)   NOME DOS AUTORES de um a no máximo 5 autores (incluso o primeiro autor). O nome do(s) autor(es, deverá ser inserido, duas linhas abaixo do título, fonte Arial, tamanho 12, alinhamento à direita, entrelinhas simples e ao lado do nome colocar a SIGLA de sua afiliação institucional/estado/país. Em caso de mais de um autor deixar espaçamento simples entre os autores.

h)   RESUMO: dar dois espaçamentos simples (duas linhas) antes de digitar o título RESUMO: em caixa alta (maiúsculas) e negrito. Espaçar com uma linha com (espaçamento simples). O resumo deverá conter no máximo 250 palavras; fonte Arial, tamanho 11, alinhamento justificado, entrelinhas simples. As Palavras-chave deverão vir logo após o resumo, com espaçamento simples; incluir no máximo quatro (4) palavras, separadas por ponto e vírgula. Dar dois espaçamentos simples, para iniciar o Abstract ou Resumen ou Sommaire, etc.

i)   ABSTRACT ou RESUMEN ou SOMMAIRE: Deverá ser de no máximo de 250 palavras e deve expressar de forma coerente e clara, o objetivo, metodologia, resultados e conclusões, ou seja, principais pontos do artigo. A fonte é Arial, tamanho 11, alinhamento justificado, entrelinhas simples. A seguir sem espaçamento incluir as palavras-chave.

j)   Palavras-chave e Key words ou Palabras clave ou Mots-clés: deverão vir logo após o resumo, incluir no máximo de quatro (4) palavras, separadas por ponto e vírgula (conforme modelo). Dar três espaçamentos simples, para iniciar o texto do artigo.

k)  Texto do artigo, conforme descrito acima, composto de Introdução, Desenvolvimento (referencial teórico, metodologia, resultados e análise, considerações) e Referências. Utilizar no texto espaçamento simples, fonte Arial, corpo12.  

l)    Os títulos das sessões do artigo devem ser posicionados à esquerda, fonte Arial, tamanho 12, negrito. Usar a primeira letra do Título em Maiúscula e as demais minúsculas.

m)  Os subtítulos no corpo do texto deverão ser configurados com espaçamento antes 0pt e depois 6pt. No texto: espaçamento simples, fonte Arial, corpo 12, negrito, alinhamento à esquerda. Para o subtítulo deverá ser usado a primeira letra Maiúscula e demais minúsculas.

n)   Das Citações: até três (3) linhas, manter a formatação acima definida para o texto; Mais de três (3) linhas, fazer recuo de 4cm da margem esquerda, letra arial, corpo 11, alinhamento justificado, espaçamento entrelinhas simples.  (CONSULTAR ABNT NBR 10520). Obs.: nas citações, observar o rigor científico, e as responsabilidades para os casos de plágio, deverá ser seguidas as Normas da ABNT.

o)   Notas (se houver): formatadas como notas de rodapé, fonte arial, corpo 9, alinhamento justificado, entrelinhas simples. Pular duas linhas, entrelinhas 1,5. (CONSULTAR ABNT NBR 6023).

p)   Na formatação das Referências: utilizar a fonte Arial, corpo 11, alinhamento à esquerda, entrelinhas simples e separadas entre si por espaço duplo, de acordo com as Normas da ABNT.

q)  Currículo(s) do(s) autor(es): Deve ser inserido um espaçamento, logo após as referências, inserir os dados do currículo dos autores SOMENTE NO ARTIGO COM NOMES (conforme abaixo), já no artigo SEM nomes não deve ter nenhuma identificação dos Autores;

      Não é necessário escrever a palavra 'currículo".

      Utilizar a fonte Arial, corpo 11, alinhamento justificado, entrelinhas simples;

Nome do autor: alinhado à esquerda em negrito;

Abaixo inserir um breve currículo com limite de cinco linhas por autor;

Na última linha inserir o link do currículo lattes/CNPq.

No caso de mais de um autor, deixar uma linha entre cada currículo. 

r)   Das Imagens: Dispostas no corpo do texto podendo ser coloridas ou em P&B, CONFIGURADA EM FORMATO jpg, com resolução mínima de 72 dpi e máxima de 150 dpi, com tamanho de 7x5cm,o mínimo e ou 15x10cm o máximo. Alinhamento centralizado.

Fotografia 5 – Escultura em terracota criada

por aluna do Ensino Fundamental II

Fotografia de Ana Luiza Ruschel Nunes

Fonte: Portfólio dos pesquisadores.


Cuidar para que as imagens não apresentem formatação de quebra automática de texto. Devem ser colocadas sem texto nas laterais. Obs.: o autor terá responsabilidade sobre os direitos autorais das imagens anexadas ao artigo, assim a comissão organizadora não se responsabiliza pelo uso indevido de imagens utilizadas no artigo.

As legendas: devem ser indicadas ACIMA das imagens com fonte Arial, corpo 10, alinhamento justificado centralizado, entrelinhas simples. A fonte deverá ser indicada na parte inferior da imagem, conforme modelo acima.

 

5. Da Submissão dos Trabalhos

A submissão de trabalhos será exclusivamente de forma eletrônica, no site do ConFAEB:http: www.isapg.com.br/confaeb/, onde deve ser feito cadastro que habilitará o login e a senha de acesso ao sistema que são: nome completo, e-mail e senha (com estes dados já terá acesso ao painel do Usuário). A seguir já poderá ser feita Inscrição online, na qual deverão ser digitados os dados solicitados nos campos da inscrição. Após a inscrição no evento já poderá ser feita a submissão de trabalhos / artigo, tomando os cuidados abaixo.

Verificar se todos os coautores já estão inscritos no ConFAEB antes de enviar o artigo, pois, o primeiro autor é o responsável pela submissão do artigo. Obs. se um dos coautores ainda não se inscreveu, deverá ser feita a inscrição ANTES DO ENVIO DO ARTIGO.

A submissão do artigo poderá ser feita logo a seguir a inscrição ou posteriormente. Para envio posterior deverá acessar o site do ConFAEB e fazer o login em “Login do Usuário” com o e-mail e a senha. Após a abertura de seu painel, terão algumas opções: - Alteração de dados; - Pagamentos (verificar situação); - Artigos enviar. - Artigos alterar / Reenviar; - Emissão de Certificados (que será disponibilizada após o congresso).

No caso de submissão clicar em “Artigos enviar”. Abrirá uma tela onde deverá ser INSERIDO o Título do artigo (em maiúscula, caixa alta); o Resumo; o Título do artigo traduzido; o Abstract ou o Resumem ou o Summaire...; Escolher uma das áreas de conhecimento destacada, dentro de um dos GT´s: Artes Visuais, Dança, Música Teatro. Vincular o trabalho e optar por um dos  Eixos Temáticos, lembrando que se for trabalho de INICIAÇÃO CIENTÍFICA ou INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, estes deverão escolher, independente dos demais Eixos Temáticos: o link para Iniciação Científica ou de Iniciação à Docência, os quais foram criados especialmente para as pesquisas de aluno de graduação.

Do envio do artigo completo:  a) enviar 2 arquivos em pdf, sendo o primeiro COM nomes, e o segundo arquivo SEM nomes, sendo que não poderá ter nenhum dado que identifique os autores. b Será permitido o envio de até três (3) artigos por autor, e todos os coautores devem fazer o cadastro e a inscrição no ConFAEB e devidamente paga.  c) O número máximo de autores por artigo - até  5 (cinco) autores. Obs. no artigo SEM nomes não poderá constar nenhuma identificação dos autores. 

Todos os Autores deverão estar inscritos no ConFAEB ANTES da SUBMISSÃO DO TRABALHO.  O autor principal é responsável pela submissão do trabalho, sendo que o nome de quem faz a postagem estará sempre em primeiro lugar no site e na certificação.

responsabilidade pela postagem do artigo é do primeiro autor, sendo que o mesmo terá que digitar os dados corretos do artigo (título, resumo, título traduzido, resumo traduzido, escolha do eixo temático de acordo, com um dos quatro GT´s, e-mail´s e os nomes de todos os coautores já inscritos no ConFAEB e as inscrições devidamente quitadas.

Lembrando que o formato padrão dos artigos COM e SEM nomes a serem submetidos no Congresso é o pdf, por isso, na submissão do trabalho deverá ser observado: a) se todos os autores estão devidamente inscritos; b) se a ordem dos autores registrados no sistema, é a mesma que está dentro do arquivo em pdf. Para que a ordem dos autores saia correta nos ANAIS do evento, nos certificados online e demais documentos deverá ser digitado no site a ordem correta dos autores e esta deve ser a mesma no arquivo em pdf. Ordem dos autores trocadas, omissão de autor ou registro de autor que não consta no artigo, comprometerão o artigo submetido. Obs.: Em hipótese alguma será aceita a inclusão de autor após a submissão do artigo.

A seguir escolher a quantidade de coautores que fazem parte do artigo, que será de um (1) a quatro(4) no máximo, e não cinco(5), pois, o primeiro autor, é o autor  principal e já está cadastrado no sistema. De acordo com o número de coautores o sistema abrirá os campos para que seja inserido o e-mail ou nome do(s) coautor(es). Obs.: Alertamos ao primeiro autor para que não registre seu nome no espaço reservado aos coautores, pois, se fizer isso, seu nome estará em duplicidade no sistema, e assim será divulgado no ANAIS, na  Certificação online.

Após os coautores, inserir o artigo COM nomes, arquivo em pdf, buscar o arquivo de acordo com a orientação do autor; a seguir inserir o artigo SEM nomes, buscar e inserir o arquivo em pdf. 

O Termo de envio de Artigo reitera algumas normas e serve como alerta às políticas de submissão, questões éticas em relação às citações/plágio, divulgação, certificação, da publicação de artigos, direitos autorias, etc. O TERMO deverá ser lido no ato da submissão do artigo e deve ser aceito pelo Autor principal para que este possa efetivamente submeter o Artigo Científico ao ConFAEB. 

Os artigos postados poderão ser substituídos na Área do Inscrito, por outra versão mais atualizada, desde que ainda apareçam em seu painel, caso não apareçam no painel já foi efetuada a avaliação prévia de formação pelo Comitê Científico e já estão em poder dos pareceristas para avaliação.

Os autores ao submeterem seus trabalhos, cedem automaticamente os direitos autorais patrimoniais dos mesmos, não cabendo nenhuma remuneração por sua publicação nos anais do evento, em livros e ou Revista da Arte/Educação da FAEB, eletrônica (online).

Observação: antes de o artigo ser submetido deverá ser revisado, observando também se constam todas as informações dos autores envolvidos na produção do trabalho e reitera-se que toda a responsabilidade pelos dados e veracidade das informações é de responsabilidade dos próprios autores.

Após ou dentro do processo de avaliação, a realimentação e demais sugestões do Comitê Científico e /ou dos Pareceristas sobre o artigo avaliado, poderá ser encaminhada ao autor principal e/ou aos demais autores, para que estas possam ser retificadas no artigo, isso será feito, levando sempre em consideração o fator tempo entre o retorno dos avaliadores e o prazo máximo para o retorno dos autores que poderá ser de um (1) dia (fase final) a no máximo 5 dias para o reenvio do artigo corrigido, o qual será reencaminhado aos avaliadores para dar continuidade ao processo de avaliação.

 

6. Dos prazos   (VER Primeira alteração do Edital)   (VER 2ª alteração do Edital - Envio de artigo até 31/08/14)

Os artigos completos para: Comunicação Oral (no formato slides ou pôster), para Iniciação Científica e Iniciação à Docência, e o resumo para o Workshop deverão ser enviados ATÉ O DIA 15 DE JULHO DE 2014. O cronograma completo está disponibilizado no site do ConFAEB em Datas importantes O pagamento dos boletos referente a inscrição no evento ou de envio de artigo deverá ser pago até o 5 dia após a inscrição ou submissão de artigo.

Das propostas de Mesa: o resumo deverá ser enviado com a proposta da Mesa até o dia 20 de junho de 2014, para o e-mail: isapgeventos@gmail.com, após a aprovação da proposta os autores terão até o dia 15 de agosto para submeterem os artigos completos, sendo um para cada autor.  (VER Primeira alteração do Edital)

Atenção: para se inscrever é necessário associar-se na FAEB

Acessar o site do evento http://www.isapg.com.br/2014/confaeb/clicando à direita no link ASSOCIE-SE a FAEB e abrirá o site faeb.com.br/associe-se/ para a realização da inscrição de sócio). Obs.: conforme prerrogativa dos Associados da FAEB, (faeb.com.br/associe-se) nos valores das inscrições acima já estão inclusos os descontos especiais para associado.  

Os resultados serão divulgados após o dia 14 de setembro de 2014 no site do congresso:http://www.isapg.com.br/2014/confaebe também serão enviados ao endereço eletrônico (e-mail) dos autores com artigos aprovados.

 

7. Das Inscrições:

A inscrição no ConFAEB para congressistas, participantes/ouvintes, autores e coautores é obrigatória e deverá ser feita no site do congresso: www.isapg.com.br/2014/confaeb, conforme os tipos de inscrição e seus respectivos valores, descriminados na tabela abaixo.

A submissão do artigo completo deverá ser feita no site do ConFAEB  www.isapg.com.br/2014/confaeb SOMENTE  após pagamento do boleto referente ao valor da inscrição  INIDIVIDUAL no evento.

A taxa por artigo enviado é de R$55,00. 

Exemplos:

a) se um autor submeter 2(dois) artigos deverá pagar dois boletos no valor de R$ 55,00, além do valor da inscrição no evento. 

b) no caso de 5 autores que enviaram um artigo: cada autor pagará a sua inscrição e uma única taxa de R$ 55,00 referente a submissão do artigo. 

valor da inscrição no ConFAEB 2014 e a taxa de submissão de artigos científicos estão discriminados conforme tabela a seguir: 


*Caso ainda não seja Associado FAEB: associe-se agorahttp://faeb.com.br/associe-se. Conforme prerrogativa dos Associados da FAEB, nos valores das inscrições acima já estão inclusos os descontos especiais. 


7.1 Da Forma de Pagamento – valor da Inscrição e taxa de envio artigo:

O pagamento da Inscrição e da Taxa de Envio de Artigo no ConFAEB deverá ser feito através do BOLETO BANCÁRIO, que será gerado após cada inscrição e a cada envio de Artigo.

O Pagamento do boleto bancário poderá ser feito em qualquer caixa eletrônico de agências bancárias, nas lotéricas e demais postos autorizados.

ATENÇÃO: 

ü  Não serão aceitas submissões sem o pagamento da taxa de inscrição. 

ü  Os autores de trabalhos enviados sem o pagamento da taxa de inscrição no evento e sem a taxa de submissão serão notificados e os trabalhos serão desconsiderados na avaliação.

ü  Deve ser paga uma taxa de submissão de R$ 55,00 para cada trabalho inscrito, independente do número de autores do trabalho e poderão ser submetidos até três (03) trabalhos.

ü  Todos os autores devem estar CADASTRADOS (login e senha do acesso ao site na parte superior à direita nahome do site) e INSCRITOS no Congresso e o envio de artigo é de responsabilidade do primeiro autor.

 

Observação: em hipótese alguma haverá devolução do valor referente à

Inscrição ou da Taxa de Submissão de Artigo.

 

 

7.2 Da Anuidade de Sócio da FAEB:

O Pagamento deverá ser feito através de deposito ou transferência bancária identificados em favor a FAEB - Federação dos Arte/Educadores do Brasil, conforme dados abaixo:

ü  Banco: Caixa Econômica Federal

ü  Agência: 0678-003 (Recife/PE)

ü  Conta corrente: 1590-5

ü  Titular: Federação de Arte/Educadores do Brasil

ü  CNPJ: 61.190.476/0001-27

Após fazer o pagamento por depósito ou transferência bancária identificado, o associado deverá enviar o comprovante escaneado para a Secretaria da FAEB pelo e-mail: secretaria@faeb.com.br

 

 

8.  Do processo de Avaliação dos Trabalhos

Os trabalhos recebidos no ConFAEB, podem ser submetidos em português, inglês ou espanhol e para a avaliação os artigos SEM nomes são  distribuídos aos  Professores Avaliadores/Parecerístas de forma automática e forma anônima (blind review), sendo que os trabalhos serão avaliados em 10 quesitos de qualidade, além da formatação.

Os artigos completos serão analisados por membros da Comissão Científica de Avaliação (Pareceristas Ad hoc.) que julgarão a adequação aos Grupos de Trabalho e aos seus Eixos Temáticos, a pertinência e a qualidade técnica do texto, bem como o atendimento ao cumprimento das normas ABNT. A Comissão Científica poderá realocar um trabalho para outro Eixo Temático ou Modalidade de Apresentação de Trabalho que não aquele indicado no ato da inscrição, se o julgar adequado às demais temáticas desenvolvidas.

Cada trabalho será avaliado por no mínimo dois pareceristas e quando o parecer for diferente (um aprovado e um reprovado) irá para um terceiro avaliador.  A avalição é anônima sem identificação de autor(es), sendo que o Parecerista não saberá se é a primeira, segunda ou terceira avaliação, com isso, é mantido o sigilo e a imparcialidade no processo de avaliação.

Os artigos deverão ser enviados com redação e ortografia adequadas, pois a versão enviada será definitiva.

Se houver tempo hábil, a Comissão Organizadora poderá, após o retorno do parecer feito pelos avaliadores, encaminhar o artigo para que os autores efetivem as correções sugeridas.

Os autores com devolutivas para correções terão um prazo de um (1) a três (3) dias e caso o artigo não seja devolvido com as correções o mesmo será considerado desclassificado. 

Após aprovação dos artigos completos, os autores serão comunicados por e-mail e através da relação dos artigos selecionados que será disponibilizada pelo site do Congresso: www.isapg.com.br/2014/confaeb.

 

8.1 Dos recursos

            Não caberá recurso das decisões da Comissão Científica de Avaliação em relação à avaliação dos trabalhos. 

 

9. Das Apresentações de Trabalhos

Os autores de cada trabalho deverão estar presentes no momento de sua apresentação.

A apresentação da Comunicação do Trabalho deverá ser feita pelo menos por um dos autores, porém todos os autores receberão certificados (será uma obrigatoriedade para recebimento do certificado da apresentação a inscrição de todos os autores ao evento).

Cada trabalho deverá ser apresentado no intervalo de 15 minutos, em horários previamente divulgados, nos dias de realização do Congresso.

As despesas para comparecimento ao evento, como viagens, alimentação e hospedagem são de responsabilidade do(s) autor(es) do(s) trabalho(s), bem como a responsabilidade por estar, em data e horário determinado, presente ao evento para fazer sua apresentação. 

As Apresentações de trabalhos acontecerão de acordo com as seguintes modalidades:

-  Grupo de Trabalhos: Comunicação Oral (formato slides ou pôster)

- Grupo de Trabalhos: Comunicação oral Iniciação Científica e Iniciação à Docência (formato slides ou pôster)

- Mesas Redonda sobre temas específicos dos GT´s.

Workshop (teórico, teórico-prático ou prático).

 

9.1 Dos Grupos de Trabalho das Comunicações ORAL (formato slides - o modelo proposto será disponibilizados no site do ConFAEB)

Os grupos serão organizados com até cinco (5) participantes, de até 15 minutos por artigo, de acordo com o horário disponíbilizado para as apresentações e aprofundamento  nos Eixos dos GTs do ConFAEB.

As apresentações de comunicações orais no formato slides dos Grupos de Trabalho,  serão avaliados pelos respectivos Mediadores de cada sessão.

Os modelos para apresentação oral, no formato slides será disponibilizado no site do evento, como sugestão.

 

9.2 Dos Grupos de Trabalho das Comunicações ORAL (formato pôster - normas e modelo do pôster serão disponibilizados no site do ConFAEB)

As Apresentações em formato pôster como forma de comunicação oral, devem seguir o modelo sugerido pelo ConFAEB para divulgação de pesquisa. A apresentação se dará em espaço público em que os autores deverão ficar por uma (1) hora, e sua apresentação será para o coletivo de participantes. Os mesmos serão apresentados em espaço indicado pela organização do evento, em local público, onde os participantes do evento circulam e podem dialogar com o(s) Autor(es ), conforme o seu interesse, na hora das apresentações.

Obs: Os dois formatos de apresentação terão a mesma importância, pois, em ambos os casos o artigo terá que ser completo e os mesmos passarão pelo processo de avaliação, de dois a três pareceres, ou seja, o que difere é só a forma de apresentação, com slides ou com pôster.

 

9.3 Dos Grupos de Trabalho de Iniciação Científica e de Iniciação à Docência

1) Dos Grupos de Trabalho das Comunicações ORAL (formato slides - o modelo proposto será disponibilizados no site do conFAEB).

Os grupos serão organizados com até cinco (5) participantes, de até 15 minutos por artigo, de acordo com o horário disponíbilizado para as apresentações e aprofundamento  nos Eixos dos GTs do ConFAEB.

2) Dos Grupos de Trabalho das Comunicações ORAL (formato pôster - normas e modelo do pôster serão disponibilizados no site do ConFAEB).

As Apresentações em formato pôster como forma de comunicação oral, devem seguir o modelo sugerido pelo ConFAEB para divulgação de pesquisa. A apresentação se dará em espaço público em que os autores deverão ficar por uma (1) hora, e sua apresentação será para o coletivo de participantes. Os mesmos serão apresentados em espaço indicado pela organização do evento, em local público, onde os participantes do evento circulam e podem dialogar com o(s) Autor(es ), conforme o seu interesse, na hora das apresentações.

 

10. Mesas Redonda

As sessões das Mesas redonda terão uma duração de até 1h30min, incluindo o debate. Cada comunicador / palestrante disporá de até vinte(20) minutos para as exposições de seu. Lembrando que todos os autores devem estar inscritos no ConFAEB, com  inscrição e taxa de submissão de artigo paga.

Obs: A data e espaço da Apresentação da Mesa, será divulgada na Programação Final que será comunicada a cada coordenador de Mesa do ConFAEB/2014, e divulgada no site:www.isapg.com.br/confaeb

 

11. Workshops

Os Workshops serão marcados em locais a serem divulgados e sob a organização da Comissão organizadora do II ConFAEB Internacional e XXIV ConFAEB Nacional. Cada Workshop terá a duração de até uma hora.

O coordenador deverá reservar, ao fim de cada Conferência, mesa, comunicação oral organizadas pelos Grupos de trabalho. dez (10) minutos para trocas e debates.

Lembrete: todos os materiais e recursos utilizados pelo(s) ministrante(s) para a execução do Workshop (teórico, teórico-prático ou prático), serão de responsabilidade do(s) mesmo(s). A Comissão organizadora não se responsabilizará por quaisquer materiais, recursos e equipamentos a serem utilizados no Workshop.

 

12. Das Publicações:

Os Trabalhos aprovados e efetivamente apresentados durante o II Congresso Internacional da Federação dos Arte/Educadores e XXIV Congresso da Federação dos Arte/Educadores do Brasil – “Arte/Educação Contemporânea: Metamorfoses e narrativas do ensinar e aprender”, serão publicados integralmente nos Anais do ConFAEB e online no site do evento.

Os melhores artigos de acordo com o parecer do Comissão Científica de  Avaliadores/Pareceristas Ad hoc, poderão compor livro a ser organizado pela coordenação geral a partir dos Eixos Temáticos na especificidade de cada GT: Artes Visuais, Dança, Música e Teatro.

Da mesma forma, poderão alguns artigos compor as publicações na Revista Arte/Educação online da Federação dos Arte/Educadores do Brasil (FAEB).

 

13. Da Certificação online

            Toda a certificação do ConFAEB será online pelo site  www.isapg.com.br/confaeb.

Os certificados de apresentação de trabalhos serão disponibilizados a todos os autores de artigos selecionados e devidamente apresentados por pelo menos um dos autores. Estarão a disposição após a realização do evento no site do ConFAEB.

Os certificados de participação no Congresso, do Comitê Científico, da Comissão Científica de Avaliação(Pareceristas), Mediadores dos Grupos de TrabalhoPalestrantes de Mesas Redonda e de Workshop serão disponibilizados online no site www.isapg.com.br/confaeb,  após a realização do evento.

ATENÇÃO: Autores que não apresentarem seus trabalhos nas datas e horários determinados pela organização do evento NÃO terão direito a certificação.

 

14. Dos Casos Omissos neste Regulamento

            Os casos omissos neste regulamento serão resolvidos pela Comissão Organizadora do Congresso.

            O presente regulamento entra em vigor na data de sua publicação. 

 

        ______________________________________________

COMISSÃO ORGANIZADORA ConFAEB

II Congresso Internacional da Federação dos Arte/Educadores

XXIV Congresso da Federação dos Arte/Educadores do Brasil







XXIV CONFAEB - Todos os Direitos Reservados.